Pistas

 

Pistas . Qualidade x Profissionalistmo .

 

Maurício Araújo Ribeiro . Árbitro da ABCCMM . mauricio@cpminas.com.br

 

Antes de me efetivar como árbitro da ABCPAMPA e conseguinte julgado várias Copas de Marcha e Eventos com Raças variadas (extra-oficiais) e atualmente como arbitro da ABCCMM, julgando várias provas, tanto de marcha como morfologia, venho sempre ouvindo questionamentos relacionados com a questão do resultado de classificação de alguns animais de excelente qualidade ficando atrás de outro, ou outros, ligeiramente inferiores.
 
 

O que temos observado é que, à medida que o aprimoramento genético e de manejo vêm evoluindo, vários fatores se tornam cada vez mais importantes e decisivos nos resultados dos julgamentos. Temos vários casos, tanto de criadores novos como de outros de grande tradição, os quais realmente conhecem a qualidade e o potencial de seus animais, mas não concordam com a classificação dos mesmos, sendo que algumas das vezes sem acompanharem de perto os julgamentos e em outras por não atentarem à apresentação dos concorrentes em relação aos seus.

 

Já há algum tempo não basta criarmos ou possuirmos um animal de excelência para o mesmo se consagrar como um vencedor nas pistas. Cada vez mais o Tripé “GENÉTICA-ALIMENTAÇÃO-MANEJO(Treinamento)” vem sendo decisivo nas avaliações, tanto de animais puxados ou montados e mesmo na marcha  ou morfologia. As técnicas de manejo, treinamento e apresentação em pista cada vez mais se aperfeiçoam, tendo uma grande relevância nos resultados finais, já que são levados em conta vários quesitos nas avaliações, sendo beneficiados os animais de melhores médias ou somatórios entre os mesmos, isto valendo tanto para a apresentação no andamento quanto na morfologia, sendo que é comum ouvirmos vários criadores dizerem que a morfologia não muda de uma exposição para a outra, porém um animal mal apresentado, estando apagado, mal parado ou mesmo muito inquieto, com certeza trará reflexo em sua avaliação. Assistimos a muitos casos de animais bastante premiados nas mãos de um determinado expositor que quando vendidos a terceiros não alcançam o mesmo sucesso, gerando, daí, a várias reclamações, algumas bastante maliciosas, por parte dos novos proprietários, como também temos vários exemplos de criatórios consagrados, tradicionais, os quais obtiveram grande parte de seu sucesso nas mãos de outros, os quais conseguiram externar com mais êxito a qualidade de seus animais.

 

Em minha opinião, como também sou criador, devemos procurar cada vez mais nos aprimorar, buscando mais informações e qualificação profissional de nossos funcionários como de nós mesmos, tendo em vista que a difusão de novos conhecimentos está cada vez mais acessível, seja através de cursos particulares, centros de treinamento, cursos do SENAR e os vários cursos, os quais são itinerantes, oferecidos pela EMA.

 

Nunca devemos nos esquecer que “nascemos aprendendo e morreremos, ainda, aprendendo”.

 

Mauricio Araujo, (Mauricim) é cliente Empório do Criador, e titular do Haras Ishwara, em Três Pontas – MG.

 

O conteúdo acima expressa a opinião do autor sobre o assunto. Caso você deseje complementar ou até mesmo discordar do tema sua opinião técnica também será publicada aqui.

Equipe - Empório do Criador


 

 

© 2010 Todos os direitos reservados.

Crie um site gratuitoWebnode